Pedro Augusto fala sobre novo Canal Urgente, da TV Alterosa


“Acho que tenho que levar carinho, fé, amor, solidariedade e também as notícias deste mundo, que anda tão violento, mas de uma forma diferente, principalmente as notícias policiais, com algumas pitadas de humor, com uma linguagem popular.” Assim, Pedro Augusto Palareti, apresentador do Canal urgente, descreve a atração que comanda na TV Alterosa, de segunda a sexta-feira, às 13h30. A atração já caiu no gosto do telespectador.

Sempre ressaltando a identificação que tem com o público mineiro – “é um povo muito especial” –, Pedro Augusto explica que a intenção do Canal urgente é também a propagação da fé. “Acho que hoje em dia está faltando no coração das pessoas a fé, a perseverança, a vontade de vencer, de chegar”, afirma o apresentador, mais conhecido como o Romeiro de Aparecida, graças à enorme devoção que tem por Nossa Senhora Aparecida. “É a mensagem que se quer transmitir. Sempre no final do programa tem um momento de reflexão, oração e consagração a Nossa Senhora Aparecida.”

O Canal urgente, na TV Alterosa, implementa a fórmula construída pelo apresentador no rádio. Há 20 anos na Rádio Tupi, no Rio de Janeiro, Pedro Augusto mantém um programa que é líder de audiência. É a maior do estado, com 400 mil ouvintes por minuto, segundo dados do Ibope, transformando-o em um fenômeno no rádio, tanto na faixa AM quanto na FM, em que o programa também é transmitido.

Trajetória O histórico profissional do comunicador, porém, começou bem antes. “Já passei pela Rádio América, de São Paulo, onde fiquei por 11 anos à frente de um programa de sucesso, realizando eventos no Ginásio do Ibirapuera com várias comunidades carentes de São Paulo. Fazíamos exatamente o mesmo no Rio, um trabalho muito bacana, voltado também para o lado social, religioso. Carregamos essa bandeira da igreja católica, esse tempo todo em que estou no rádio, e lá se vão 32 anos”, conta Pedro Augusto, que já esteve com os papas João Paulo II e Bento XVI.


Ele também comenta sobre as romarias que já realizou até a Basílica de Nossa Senhora em Aparecida do Norte. “Cada viagem com, em média, 20, 30 ônibus. Por isso sou conhecido no Rio de Janeiro como Romeiro de Aparecida, justamente por essa nossa peregrinação”, explica, acrescentando que tudo começou quando ele ainda era criança. “Meus pais tinham o hábito de visitar a basílica todos os anos. Tornou-se um hábito para mim. Quando fui trabalhar na Rádio Renascença, de Ribeirão Preto, aos 15 anos, meu pai me ajudava a organizar as romarias. De lá para cá, nunca mais parei. Acho que na vida tudo é hábito. Na fé também.”

Pedro Augusto afirma que o Canal urgente vai emplacar de vez. “É uma questão de tempo. As pessoas querem saber: quem é ele? De onde veio? O que pretende? Costumo dizer: ‘Não sou padre, não sou pastor, não sou santo e não faço milagres. Mas minha fé é inabalável. Vamos mostrar a verdade dos fatos, o que acontece no dia a dia de uma grande cidade como Belo Horizonte, mas também com um pouco de humor, para que as pessoas não encarem a vida de forma tão dramática como ela é.”

Um ponto em que o programa vai tocar sempre é o lado social. Pedro Augusto quer estender a mão às comunidades carentes. Para tanto, o Canal urgente tem um quadro, “Socorro, Pedro Augusto”, no qual a pessoa dá um depoimento sobre o que precisa – seja uma cadeira de rodas ou uma cama hospitalar, por exemplo – e o apresentador estará pronto para ajudá-la.

“Quero falar sobre a saúde do povo, que vai de mal a pior”, dispara. “O brasileiro está proibido de ficar doente. Se adoece, morre. Fala-se tanto em Copa do Mundo, em Olimpíadas, mas a gente está esquecendo de inaugurar um novo hospital, uma nova escola, esquecendo da saúde e da educação do povo. Hoje, você liga a TV, o rádio, e só tem tragédias. Mas você está tão ocupado, robotizado, que não tem nem tempo para parar e salvar aquela pessoa, se ela estiver caída na calçada. Ela vai morrer. Só que essa pessoa pode ser você. Estamos ficando tão acostumados com as tragédias do dia a dia que já achamos tudo muito normal.”

Modo diferente

Nas próximas edições, o Canal urgente vai contar de maneira diferente a história dessas pessoas que sofrem e são ignoradas. “Nunca assisti a um programa na televisão em que o apresentador fizesse a narrativa de um acontecimento e ele mesmo interpretasse os personagens. É justamente isso que o telespectador verá. Vou começar a interpretar os personagens. Contaremos, ainda, com atores e atrizes. Não quero expor as pessoas na TV. Quero dar um caminho a elas, e não explorá-las”, antecipa Pedro Augusto.

O programa também vai sortear entre as pessoas que participarem da atração uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, uma réplica da original da Basílica de Nossa Senhora Aparecida. “O Laudívio (Carvalho, repórter do programa) vai entregar a imagem na casa da pessoa”, avisa Pedro Augusto. “É uma forma de evangelizar essas pessoas. Evidentemente, quem for evangélico não receberá uma imagem, mas posso entregar uma Bíblia.”

Pedro Augusto adianta ainda a realização de um megashow, no Mineirinho, ainda sem data marcada, com arrecadação de doações na forma de alimentos não perecíveis. Todos os donativos serão revertidos para o Instituto Nacional do Câncer e outras entidades.

Aos 48 anos, casado, uma filha, Pedro Augusto Palareti, cujo maior hobby é trabalhar, mas também gosta de dirigir e de viajar, põe fé no futuro de sucesso do Canal urgente: “Estou muito feliz e espero muito em breve poder comemorar com bons números no Ibope a nossa chegada na Alterosa. Vamos, devagar, ajustando os pontos. Tem que fazer a diferença na televisão. E vamos fazer, se Deus quiser”.

fenômeno de popularidade
400 mil ouvintes por minuto no Rio de Janeiro
32 anos de carreira, 20 deles na Rádio Tupi (RJ)

Fonte: Jornal Estado de Minas

# Parceiros


#Facebook: SBTpedia

#Twitter