Tribuna SBTpedia: O novo 'Domingo Legal', por Gabriel Reis

O novo "Domingo Legal"

Por Gabriel Reis* (gabrielviannareis@gmail.com)

A novo logomarca do programa. Imagem: Reprodução/SBT

Ontem, 05 de junho, o “Domingo Legal” estreou uma nova fase nos mais de 23 anos de sua história. Agora, sob a direção-geral de Rubens Gargalaca Jr. (desde o afastamento de Magrão, em 26 de abril), o programa estreou novos cenários (como o Facebook do SBTpedia antecipara no sábado) e também novos quadros como “O Preço da Verdade”.

Atrações

O programa entrou no ar às 13h01, recebendo do “Mundo Disney” e do interprograma comercial “Caldeirão da Sorte” (que neste domingo foi apresentado por Helen Ganzarolli). Sendo muito prejudicado pela entrega dos programas anteriores, o programa corretamente pagou um intervalo comercial logo de cara, com três merchandisings bem próximos.

Em relação ao início fica só uma pequena crítica. Celso anunciou todas as atrações do programa, para em seguida, rodar uma vinheta (“Você vai ver”) com exatamente tudo o que ele havia falado anteriormente. Fazer isso em um programa que tem pouco tempo de arte é algo extremamente desnecessário.

A primeira atração foi a de um casal de jovens (Rebeca e Bruno) com Síndrome de Down que tiveram seu pedido de namoro filmado e comoveram a internet. A opção de levar ao palco uma pauta factual de grande repercussão é excelente. É exatamente esse o caminho que está consagrando o “Domingo Show” e que consagrou o próprio “Domingo Legal” durante muito tempo. O que me pareceu, foi que a pauta, não era tão famosa assim (o vídeo no YouTube que levou os dois ao palco do programa tem somente 10 mil visualizações) e o que se viu no palco foi uma conversa que não levou a lugar nenhum e nenhuma ação. Não ocorreu uma homenagem, uma grande surpresa ou um grande desafio (apenas um jantar romântico pro casal depois de 30 minutos de pauta). O grande destaque se deu pela vontade de levar algo novo ao palco e pelo VT introdutório bastante poético, que fazia referência ao filme “Colegas”.

Acima, o vídeo que fez Rebeca e Bruno serem convidados para a estreia do novo “Domingo Legal”

Às 13h39, Celso Portiolli chama ao palco Danilo Gentili e Adriane Galisteu para participarem do game show “O Preço da Verdade”. Logo de cara pensei se tratar de algum quadro que envolvesse perguntas polêmicas com famosos, como o “De Cara com o Fera”, de Gilberto Barros ou o “Nada além da verdade”, do próprio SBT. No próprio gerador de caracteres (GC) às vezes apareciam perguntas mais ácidas como: “Polêmica: Danilo Gentili não gosta de Rafinha Bastos. Verdade ou mentira?”. No entanto o que se viu foi o oposto disso. Foi um game show frio e parado, que ficou no ar durante mais de uma hora. O jogo funcionava da seguinte forma: Portiolli escolhia um tema (“traição”, por exemplo) e um dos participantes devia contar uma história ao adversário. Este por sua vez, deve descobrir se o que foi falado é verdade ou mentira. É um recurso já utilizado diversas vezes em atrações de Faustão, Ratinho e Silvio Santos. É bem verdade, agora mais modernizado e com uma nova dinâmica, acrescentado de outros elementos como a velho “Prova do Dado” do “Curtindo com Reais”.

O quadro não foi ruim, nem mal feito, mas foi monótono e ficou muito tempo no ar (mais de uma hora). A impressão clara que me deu foi que a própria direção do programa percebeu isso e chamou a youtuber Kéfera ao palco antes mesmo da disputa entre Danilo Gentili e Adriane Galisteu terminar.

A polêmica ficou apenas do GC. Danilo Gentili sequer foi perguntado sobre Rafinha Bastos durante o programa. Imagem: Reprodução/SBT

No vídeo acima Fausto Silva apresenta o quadro “Quem está mentindo?”, com a mesma temática de “O Preço da Verdade”.

A presença da Kéfera foi positiva e acabou resultando numa entrega razoável de audiência para “Eliana”. O problema foi que o que era pra ser a principal atração do programa acabou por ficar somente 20 minutos “sozinha” no ar. “O Preço da Verdade” foi encerrado somente às 14h49, e o “Domingo Legal” entregou às 15h09. A homenagem a youtuber foi feita de forma criativa, o que prejudicou foi, principalmente, o fato dela ter entrado no palco de forma improvisada (ainda durante o quadro “O Preço da Verdade”), o que resultou em perguntas completamente descabidas de Portiolli como: “Como vai essa correria?”, “Você já trabalhou em televisão?”, dentre outras. A impressão que tive foi que a principal atração do programa não rendeu o suficiente.

Cenário e pacote gráfico, entregas comerciais e audiência

O cenário é extenso lateralmente, mas tem pouca profundidade. O auditório continua pequeno, mas desta vez, frontal ao palco. A paleta de cores continua em azul, branco, lilás e amarelo. A iluminação varia sempre nesses tons ao longo do programa e todo o pacote gráfico (vinhetas, GC e logo) sofreu pequenas modificações (mas mantendo a mesma paleta de cores). Por ser mais horizontal, o fato do telão se movimentar ajuda bastante, já que as provas e atrações são dispostas lateralmente no palco.

O programa possuiu dois breaks de seis minutos e meio cada um e mais doze ações de merchandisings com um aproximadamente um minuto de duração cada. Totalizando, são 25 minutos de entregas comerciais em um programa com duas horas e oito minutos de duração. O percentual fica próximo de 20% de comerciais, para 80% de tempo de arte. Não é nem alto, nem baixo. O “The Noite” e “Programa do Ratinho”, por exemplo, possuem uma carga comercial próxima desse percentual.

Segundo Hialley Gouveia, do portal “Bastidores da TV”, o “Domingo Legal” fechou com 5.6 pontos de média, com 7.8 de pico (índices prévios do IBOPE relativos a Grande São Paulo). Para efeito de comparação, o “Domingo Legal” fechou o mês de maio com 6.08 de média, quase meio ponto acima da média de ontem (índices também divulgados pelo “Bastidores da TV”).

Conclusão

A carga comercial foi bem dividida e ficou “de bom tamanho” para o programa. O cenário e toda a parte gráfica também não decepcionaram. Em relação ao conteúdo, a impressão que ficou, foi exatamente a que falei anteriormente, perdeu-se muito tempo com “O Preço da Verdade” e a participação da Kéfera (que elevou os índices) acabou ficando pequena demais. O pico de audiência se deu justamente no momento da entrega para “Eliana” quando se conseguiu diminuir a diferença para a Record para apenas 1.6 ponto (no encerramento do programa, com a homenagem para a youtuber). Nota-se uma clara vontade do programa em encontrar novidades, o que é bastante positivo, mas não me parece ser com uma edição de setenta minutos de “O Preço da Verdade” que o programa conseguirá recuperar seus índices.

Atualização (07 de junho): Segundo dados consolidados do IBOPE, o “Domingo Legal” marcou 5.9 pontos de média, no domingo, 05 de junho, 3 décimos acima do IBOPE prévio divulgado anteriormente.

*É graduado em Comunicação Social (Rádio e TV) pela Escola de Comunicação da UFRJ. Teve passagens pela TV Boas Novas e pelos canais Esporte Interativo, onde foi coordenador de programação. Atualmente escreve artigos de opinião às segundas-feiras no “SBTpedia”

# Parceiros


#Facebook: SBTpedia

#Twitter