Tribuna SBTpedia: O SBT Notícias e a relação de amor e ódio entre o SBT e o jornalismo, por Gabriel Reis

O SBT Notícias e a relação de amor e ódio entre o SBT e o jornalismo

Por Gabriel Reis* (gabrielviannareis@gmail.com)

Hoje o SBT reestreará o SBT Notícias, dando início a sua “maratona de jornalismo” na madrugada

Na última semana três notícias impactaram o jornalismo do SBT. A primeira foi a extinção da reprise do Fofocando, que vinha sendo exibida diariamente às sete manhã, e o consequente aumento na duração do Primeiro Impacto (indo agora de seis às oito horas). Em seguida, veio a súbita notícia da retirada do ar do Okay Pessoal!, decisão válida inclusive para o dia em que o aviso foi dado a imprensa. Logo em seguida, as séries exibidas de madrugada é que “rodaram” da grade, abrindo espaço para uma solução, no mínimo, bizarra: o SBT optou por exibir o Jornal do SBT quatro vezes (ou cinco, a depender do dia) seguidas em sua grade de programação.

A solução soou tão esquisita que o departamento de jornalismo e a direção da emissora, aparentemente, resolveram fazer essa “maratona de jornalismo” de forma correta. Sim, o SBT veiculará por dia, pelo menos seis horas de jornalismo em sequência, mas não com reprises infindáveis do Jornal do SBT. Para isso, um novo produto para as madrugadas será lançado, para preencher o “buraco” entre o Jornal do SBT e o Primeiro Impacto, trata-se do SBT Notícias. Exibido no início dos anos 2000 nas madrugadas da emissora, o telejornal voltará ao ar em sua faixa horária original após uma passagem pela faixa das 18 horas, com Neila Medeiros, em 2013.

A ideia também remete a bem-sucedida ideia de iniciar as exibições do Jornal do SBT Manhã às cinco horas da manhã (e, posteriormente, às quatro da manhã) que levaram o SBT a liderança muitas vezes e resultaram na criação do Hora Um na TV Globo.

Apesar da boa iniciativa, não podemos deixar de nos perguntar: uma produção que vai ficar três, quatro horas no ar seguidamente, ao vivo, em um formato de telejornal, demandará um alto custo de produção (ainda mais no horário da madrugada). Esse investimento será mantido a longo prazo? É impossível não lembrar da última vez que o SBT Notícias foi ao ar. Neila Medeiros foi transferida de Brasília para São Paulo para comandar o programa, toda uma equipe foi montada em seu entorno e um marketing agressivo (bem ao “estilo Silvio Santos”) foi montado para sua estreia. O que vimos foi o programa sair do ar em menos de dois meses.


Chamada de estreia do SBT Notícias, com Neila Medeiros, em 2013.

O SBT carrega em sua história uma relação de amor e ódio com o jornalismo. Se foi a emissora responsável por marcos nesse segmento com o “Aqui Agora” e o “TJ Brasil”, e hoje possui um casting de dar inveja a qualquer outra emissora (com Carlos Nascimento, Roberto Cabrini, Joseval Peixoto, Rachel Sheherazade, Hermano Henning, dentre outros), também é a mesma emissora que não noticiou o 11 de setembro, não transmitiu a votação do impeachment de Dilma Rousseff e coloca e tira do ar diversos telejornais como: o SBT São Paulo, SBT Manchetes, Aqui Agora, Notícias da Manhã e o próprio SBT Notícias.

A notícia da “madrugada de jornalismo ao vivo” é ótima, mas precisa ser mantida a longo prazo. Não pode ser só mais uma “aventura”.

*É graduado em Comunicação Social (Rádio e TV) pela Escola de Comunicação da UFRJ. Teve passagens pelo SporTV, como coordenador de produção, e pelos canais Esporte Interativo, onde foi coordenador de programação. Atualmente escreve artigos de opinião às segundas-feiras no SBTpedia

# Parceiros


#Facebook: SBTpedia

#Twitter