Tribuna SBTpedia: Quatro investimentos mais importantes que uma possível contratação de Jô Soares pelo SBT

Quatro investimentos mais importantes que uma possível contratação de Jô Soares pelo SBT

Por Gabriel Reis* (gabrielviannareis@gmail.com)

Histórica entrevista de Jô Soares com Roberto Carlos no SBT. Mesmo contratado da TV Globo, o cantor foi ao “Jô Soares Onze e Meia” e concedeu uma entrevista de mais de uma hora ao apresentador. (Foto: Divulgação/SBT)

Na última semana, mais uma vez foram divulgadas informações sobre uma possível volta de Jô Soares ao SBT. Depois de Flávio Ricco e Léo Dias, Keila Jimenez, do portal R7, publicou que Silvio Santos está negociando com o apresentador global, mas que gostaria que Jô voltasse ao SBT sem a emissora ter que arcar com os custos de sua banda.

Esta coluna já se posicionou duas vezes de forma favorável a contratação de Jô Soares pelo SBT (aqui e aqui) e continua com a mesma opinião, no entanto, hoje vamos listar investimentos mais relevantes e mais urgentes para o SBT no momento.

Salvar os domingos 1 – “Programa Silvio Santos”

Apesar de o “Programa Silvio Santos” manter uma média razoável entre 10 e 12 pontos, fica claro o desperdício que é feito com diversos formatos grandiosos adquiridos pelo SBT e exibidos no dominical. Temos como exemplo: “Levanta-te”, “Pergunte aos Universitários” e “Bomba!”. Não há um cenário específico para eles, ações promocionais, horários fixos de exibição, cuidado com escolha dos participantes e nem com a dinâmica de funcionamento dos programas. No caso de “Bomba”, sequer o formato original (que o SBT teve que “abrir os cofres” para adquirir) está sendo seguido. O game show originalmente envolve perguntas e respostas e leva ao palco toda a adrenalina dos filmes de ação hollywoodianos. No caso do SBT, se torna apenas uma brincadeira para sujar o auditório. Se essa for a intenção, seria mais simples voltar com o “Shampoo de Ovo”.

É espantosa a decisão de ter os formatos e não produzi-los em alto nível, justamente no principal programa da casa. Lembra-me algumas outras decisões estúpidas do SBT como: ter o melhor pacote de filmes da sua história em 2004 e “engavetá-lo” por 21 meses; gravar o seriado “Meu Cunhado” em 1999 e só exibi-lo cinco anos depois; contratar uma atriz do nível de Marília Pera (em 1996) para fazer uma novela (“A Pantera”) que de fato nunca foi ao ar (erro repetido com Mel Lisboa e “A Outra”, em 2004).

Esta coluna já tinha escrito sobre o que poderia ser feito com o formato de “Bomba!” meses atrás (link aqui) e mantém sua opinião, assim como já tinha sugerido outros formatos ao “PSS” (links aqui e aqui).


Estreia de “Bomba!” no “Programa Silvio Santos”

Salvar os domingos 2 – “Domingo Legal” e “Eliana”

A situação de ambos é mais preocupante que a do “Programa Silvio Santos”, pois as duas atrações perdem com muita constância para a Record. O caso de “Eliana” é menos grave, já que o programa, aparentemente, conta com mais investimentos que o “DL”. O erro me parece investir em atrações demasiadamente segmentadas ou, as vezes, sem o “tamanho” correto para a “Guerra dos Domingos”. Para exemplificar cito “Guerra das Tesouras”, reality de cabeleireiros, e “Sueli na sua Casa”, quadro com dicas de como organizar a casa apresentado por Sueli Rutkowski. São formatos ótimos para matinais femininos, mas sem um potencial para uma disputa mais competitiva de audiência. Acredito que como é um programa de longa duração, “Eliana” deve explorar melhor os formatos internacionais. Por que não “Super Nanny” que já deu 17 de média nas tardes de domingo?

A situação do “Domingo Legal” é mais crítica e hoje o programa corre o risco até de ser extinto. Em relação a ele, mantenho a opinião dada semana passada. Inovar seria bom, mas se o “Domingo Legal”, pelo menos, revisitar a sua própria história, já será um grande passo em relação ao quadro atual. Recupero aqui o que disse semana passada:

“O problema do “Domingo Legal” é a perda de identidade. O ideal é seguir uma linha e fazê-la de forma bem feita. O objetivo é ter games? Então que seja bem feito. O “Curtindo uma Viagem” tem uma série de provas que são pedidas e lembradas pelo público e poderiam retornar. O objetivo é ter assistencialismo? Então que o “Construindo um Sonho” seja mais regular e grandioso como era em 2008 e 2009. Queremos ter um quadro de namoro? Há mil formatos ótimos para Celso aproveitar: do “Azaração” (que teve uma exibição no ar) ao “The Bachelor” (formato mais tradicional dos EUA). O objetivo é ter reencontros? Uma parceria com Walter, do “Good Angels”, é fundamental. Ele é quem sempre esteve à frente desse tipo de quadro no “Domingo Legal” (“Gente que procura gente” e “Encontros”) e na “Eliana” (“Reencontro”)”


Reforço do acervo de filmes – Assinatura de contrato com a Universal Pictures

Apesar de manter duas sessões de filmes no horário nobre e cogitar aumentar o número de filmes em sua grade de programação, o investimento do SBT em seu acervo diminuiu drasticamente com o passar dos anos. De 2005 a 2013 saíram da emissora quatro das maiores distribuidoras de cinema do mundo: Disney, MGM, Paramount, e por último, a Warner.

A compensação com a exibição de reprises de Warner e Columbia e títulos inéditos rejeitados pela Globo ou de distribuidoras menores é insuficiente, ainda mais em um cenário onde a demanda por esse conteúdo pode crescer (com a ida de Celso Portiolli para os sábados à tarde, a criação de uma sessão de filmes no lugar do “Sabadão” é possível).

É evidente que ninguém espera que um filme hoje marque, fora da Globo, mais de 20 pontos de média, mas descartá-los dessa forma, e ainda mantendo as sessões na grade não faz sentido. O contrato da Universal Pictures com a Record vence ao final desse mês e uma assinatura com o SBT pode representar uma qualificação imensa da grade de programação, não só com títulos campeões de bilheteria como “Minions” e “Jurassic World”, mas também com desenhos como “Pica-Pau” e seriados como “Heroes”.

Detalhes sobre como o SBT poderia se beneficiar com um acordo com a Universal Pictures já foram elencados no texto “SBT e Universal Pictures: um casamento que pode dar certo”.

Investimento em dramaturgia – Segundo horário de novelas

Se há um setor que vem recebendo cada vez mais investimentos no SBT e que vem apresentando resultados mais que satisfatórios é o da teledramaturgia. Desde 2012, todas as novas novelas infantis lançadas são, sem exceção, a maior audiência do SBT durante suas exibições (só disputando, eventualmente, com o “Programa Silvio Santos”). “Carrossel”, “Chiquititas”, “Cúmplices de um Resgate” e “Carinha de Anjo” representam uma sequência de sucessos cada vez mais rara de se ver em novelas atualmente. Em 2012, ano da retomada da teledramaturgia no SBT, a Globo lançou “Avenida Brasil”, seu último grande sucesso das 21 horas, marcando 39 pontos de média geral. De lá para cá, a Globo colocou no ar nove novelas nessa faixa: “Salve Jorge”, “Amor à Vida”, “Em Família”, “Império”, “Babilônia”, “A Regra do Jogo”, “Velho Chico” e “A Lei do Amor”. Dentre as nove citadas, apenas três tiveram média geral acima de 30 pontos: “Império”, “Amor à Vida” e “Salve Jorge”.

Exibir quatro novelas de sucesso em sequência não é fácil e o SBT deve reforçar cada vez mais esse núcleo. Para isso, até parcerias são bem-vindas. A exibição de “A Garota da Moto” (co-produção com Mixer e FOX) foi bem sucedida, segurou o público das novelas infantis e já garantiu uma segunda temporada na emissora. Investir na teledramaturgia do SBT hoje, ao contrário de tempos atrás, não é um tiro no escuro, é investir em sucesso.

A contratação de Jô Soares seria muito bem-vinda, mas hoje, semanalmente e/ou nas madrugadas, representaria menos em audiência, faturamento e impactos na grade de programação que qualquer uma das opções citadas nesse texto.

*É graduado em Comunicação Social (Rádio e TV) pela Escola de Comunicação da UFRJ. Teve passagens pelo SporTV, como coordenador de produção, e pelos canais Esporte Interativo, onde foi coordenador de programação. Atualmente escreve artigos de opinião às segundas-feiras no SBTpedia

# Parceiros


#Facebook: SBTpedia

#Twitter