Cartas e Cartazes nº 129: SBT apela por ajuda para Santa Catarina após desastre natural que deixou mortes (15/07/1983)



Por José Eustáquio Lopes de Faria Júnior (@juniorpitangui)

Hoje vamos no fundo baú com um anúncio que não tem a ver com a grade do SBT, mas com uma campanha que a emissora encabeçou lá no longínquo ano de 1983.

Todos acompanharam na semana anterior o chamado “ciclone-bomba” que passou pela Região Sul do País, com ao menos 11 mortes e rastro de destruição em 165 cidades no Estado de Santa Catarina. Está sendo considerado o pior evento climático com ventos da história do Estado.

Outro desastre natural histórico entre os catarinenses foi a cheia do rio Itajaí-Açu, lá em 1983, afetou um total de 90 cidades (cerca de até 130 indiretamente), com um número ainda maior de mortes (49), 32 dias de isolamento total e 197.790 desabrigados (sendo 29% da população total de Blumenau, 42,3% da população total de Itajaí e 64,7% da população de Rio do Sul, as cidades mais devastadas).


As fortes chuvas, que começaram no dia 5 de julho, fizeram com que o Estado decretasse Estado de Calamidade Pública em 8 de julho de 1983. Um dia após, o rio atingiu a sua máxima histórica, com 15,34 metros acima do leito. Suprimentos vindos de doação, como comidas e roupas, chegavam via Força Aérea Brasileira (FAB) e eram distribuídos por helicópteros porque não havia como chegar por terra.


A situação era tão crítica, que, por exemplo, no Hospital Santa Isabel, em Blumenau, um cemitério foi improvisado nos fundos da instituição, porque os corpos não tinham como ser transportados. Cinco pessoas chegaram a ser enterradas nesse curto período dessa forma. Pessoas recorriam como podiam para se salvar da situação, como se refugiar em partes mais altas das casas, como no sótão, e o uso dos radioamadores foram as principais fontes de informação e comunicação com o mundo exterior.

Em São Paulo, o SBT encabeçou uma campanha de ajuda ao Estado de Santa Catarina. No dia 15 de julho de 1983, publicou esse anúncio com a chamada “Santa Catarina pede socorro”. E complementa: “Nossos irmãos de Santa Catarina estão sem casa, sem comida, sem água potável, sem medicamentos. Leve roupas, dinheiro, remédios ao terminal da Transbrasil, Aeroporto de Congonhas”.

O “Santa Catarina pede socorro” não nasceu somente para o anúncio e sim de uma campanha da grade do SBT. No dia 13 de julho, portanto dois dias antes do anúncio ser publicado, o programa “O Povo na TV” continuou – mesmo após o horário habitual – em rede, mesmo após o horário habitual, com Wilton Franco (do Rio de Janeiro) e Raul Gil (de São Paulo) na apresentação, mas com o nome da campanha “Santa Catarina Pede Socorro”. Existem registros que a TVS no Rio, em São Cristóvão, ficou tomada por sacolas com roupas, medicamentos e mantimentos, sendo que só no dia seguinte às 11 da manhã foi possível transferir todo o material que estava em estúdio.

Mais na parte inferir do anúncio uma segunda chamada com “Não economize solidariedade” e o arremate de quem era o chamado: “Um apelo do SBT e de suas co-irmãs: TV Barriga Verde - Florianópolis. TV Planalto – Lages”. Menção explícita às duas afiliadas que o SBT mantinha no Estado. Essa, talvez, tenha sido a primeira ação publicitária do SBT envolvendo afiliadas da rede em alguma campanha.

No dia seguinte à publicação do anúncio do SBT, eis que surge uma outra campanha com o mote “Santa Catarina Pede Socorro” nos jornais, também voltada para destacar a situação do Estado e os postos de doação disponibilizados pelo governo à época. Abaixo anúncio publicado no Jornal do Commercio, do Rio de Janeiro:

 
Se o SBT tratou de levantar mantimentos e recursos para as vítimas da tragédia, um ano depois quem buscou ambientar dramaturgicamente tal tema foi a Rede Globo, com um “Caso Verdade” gravado em Blumenau (“Blumenau, Tudo Azul”) que contou com a direção de Reynaldo Boury, hoje diretor de teledramaturgia da emissora de Silvio Santos. Gravado em julho, foi exibido em novembro de 1984 pela emissora carioca.

# Parceiros


#Facebook: SBTpedia

#Twitter