SBTpedia Entrevista: Ecila Pedroso, colaboradora e autora de diversas novelas no SBT

 
O SBTpedia traz nesta quarta-feira, dia 21 de abril, uma entrevista realizada por Pedro Nascimento com a roteirista e autora Ecila Pedroso, de diversos trabalhos ao longo da história da emissora. Confira na íntegra:

SBTpedia: Ecila, por que você quis ser roteirista? Foi algo planejado?
Ecila Pedroso: Não planejei ser roteirista. Aconteceu. Tinha escrito algumas peças de teatro na época e David Grinberg me convidou para escrever novelas. Aceitei e fiz disso minha profissão até hoje.

SBTpedia: Sangue do Meu Sangue (1995) foi uma produção de época caprichada pelo SBT, com a supervisão e direção geral de Nilton Travesso. Contudo, o autor da obra original, Vicente Sesso, causou desconforto na época ao criticar a adaptação dos autores titulares Rita Buzzar e Paulo Figueiredo. Como colaboradora de texto, como foi pra você essa influência do Sesso?
Ecila Pedroso: Quando Sesso assumiu a novela, tirando a Rita [Buzzar] e o Paulo [Figueiredo], pedi pra sair. Achei que era o mais ético a fazer.

SBTpedia: Você também foi colaboradora de texto da primeira versão no Brasil de Chiquititas, adaptação da novela argentina homônima, em 1997. Como foi essa experiência escrevendo para um público infantojuvenil?
Ecila Pedroso: Não fui colaboradora em Chiquititas. Fui a responsável pela versão em português. Uma experiência ótima. A novela foi um sucesso

SBTpedia: Logo em seguida, em 1998, você colaborou com o texto da novela Fascinação, de Walcyr Carrasco, que teve um grande êxito. Como foi trabalhar com o Walcyr?
Ecila Pedroso: Trabalhar com Walcyr foi ótimo. Considero um grande amigo.

SBTpedia: Em 2001, o SBT entrou numa nova fase da teledramaturgia a partir de um contrato que a emissora fez com a rede Televisa para a produção de adaptações mexicanas. Várias novelas vieram nesta safra, entre elas, Amor e Ódio e Marisol, nas quais você atuou como supervisora de texto. Como funcionava exatamente a sua função/participação com essas novelas?
Ecila Pedroso: Trabalhar no SBT é muito bom. Uma emissora que preza a amizade entre as pessoas. Fazia a redação final das novelas.

SBTpedia: Já em 2003, em Jamais te Esquecerei, o SBT resolveu arriscar ao permitir uma maior influência no roteiro da mexicana “Nunca Te Olvidaré”, que não foi apenas traduzido, mas realmente adaptado e com grandes mudanças no texto original. Quais foram os principais desafios, à época como autora titular, para roteirizar esta história?

Ecila Pedroso: Fazer uma novela é sempre um desafio e uma incógnita. Você tenta se conectar com a realidade, falar de temas atuais sem perder o romance e o drama necessário para a história. Adaptar ou escrever um original sempre nos traz desafios. Não existe um mais fácil que o outro.

SBTpedia: Ainda sobre Jamais te Esquecerei, na original há uma primeira fase contando o pacto de amor entre os protagonistas quando crianças, e aqui no Brasil a história foi diluída ao longo do percurso por meio de flashbacks. Na novela seguinte, Canavial de Paixões, a espinha dorsal é semelhante, pois os atores principais também fazem uma promessa de amor na infância, contada por meio de uma fase. O recurso do flashback em Jamais te Esquecerei, então, foi pra não ser tão parecida - neste sentido - com Canavial?
Ecila Pedroso: Os flashback's de Jamais te Esquecerei não foram para diferenciar do Canavial. Não sabíamos qual novela viria em seguida.

SBTpedia: Uma personagem interessante em Jamais te Esquecerei era a Alzira, interpretada pela atriz Clarisse Abujamra, que fazia uma alcoólatra. É difícil abordar um tema complexo como o alcoolismo sem cair numa caricatura, uma vez que a estrutura mexicana não se aprofunda muito em debater/refletir problemas sociais?
Ecila Pedroso: Não tenho certeza, mas acho que o personagem da Clarice, no original, não era alcoólatra. Honestamente não me lembro.

SBTpedia: O humor leve e descontraído esteve presente em Jamais te Esquecerei com o pensionato da hilária Serafina (Vera Mancini) com as freiras interpretadas por Glauce Graieb e Chica Lopes. Ainda, no bar da Açucena, também tinha o gordo gago (Fábio Araujo) que viva às turras com o Ciri (Eduardo Silva), homossexual assumido. É mais difícil escrever núcleo cômico? Havia uma preocupação em fazer um tipo de humor próximo do público da emissora?
Ecila Pedroso: Humor é extremamente necessário em qualquer novela. O público precisa respirar e sorrir.

SBTpedia: A novela Seus Olhos (2004) talvez tenha sido a produção mais abrasileirada da safra de remakes mexicanos do SBT, tratando inclusive de temas sociais, como a violência doméstica e a exploração infantil nas ruas. Já era um desejo da emissora apostar em novos caminhos na época?
Ecila Pedroso: Seus Olhos foi uma aposta de todos nós para novos caminhos.

SBTpedia: Ao longo do percurso Seus Olhos teve troca de autores. O que aconteceu?

Ecila Pedroso: Sai da novela por problemas pessoais.

SBTpedia: Você chegou a apresentar alguma sinopse/argumento próprio para o SBT na época?
Ecila Pedroso: Não me lembro de ter apresentado uma sinopse original. Não era a política da emissora.

SBTpedia: O que você recomenda para as pessoas que aspiram entrar no mercado de roteiristas? Ainda é difícil sobreviver atuando nesta área no Brasil?
Ecila Pedroso: Para entrar na área, como em qualquer outra é necessário estudar e ter a humildade de galgar degrau por degrau para aprender.

SBTpedia: Conte-nos um pouco sobre seus novos projetos.

Ecila Pedroso: Não tenho projetos no momento.

# Parceiros


#Facebook: SBTpedia

#Twitter